Tag: Defesa

Featured Video Play Icon

Manifestação protesta contra reforma e intervenção federal no Rio

Manifestação a 19 de fevereiro de 2018, no centro do Rio, parte do dia nacional de luta contra a tentativa de Reforma da Previdência proposta pelo governo Temer, também protestou contra a intervenção federal no Estado, decretada no dia 16 de fevereiro. No mesmo dia manifestação, o governo reconheceu oficialmente não ter conseguido apoio suficiente para levar a reforma à votação.

Leia mais »
Featured Video Play Icon

Sinceramente, alguém acredita que Temer está preocupado com a vida das pessoas?

“Sinceramente, alguém acredita que o Temer está preocupado com a vida das pessoas?”, questionou a deputada federal Jandira Feghalli (PCdoB-RJ), ao criticar o decreto de intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro. “Com o discurso da lei e da ordem, Michel Temer tenta angariar popularidade nas eleições e viabilizar seu projeto de poder político”, afirmou. Para Jandira, a intervenção expõe a risco as pessoas do Rio e a própria democracia.

Leia mais »

“As favelas nunca declararam guerra a ninguém”, diz nota da Faferj

Em nota pública, a Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro observa que a ocupação da Maré custou R$ 1,7 milhões por dia, durando 14 meses; em contrapartida, nos últimos 6 anos só foram investidos R$ 300 milhões em políticas públicas voltadas para o desenvolvimento social. Nesse sentido, embora a nota critique o aspecto punitivo e a ineficácia da medida, afirma que as Forças Armadas poderiam atuar no reforço de ações sociais. “O que a favela precisa na verdade é de uma intervenção social, que inclusive contaria com a participação das forças armadas. Precisamos de escolas e creches, hospitais, projetos de geração de emprego e renda e políticas sociais voltadas principalmente para juventude. Precisamos de uma intervenção que nos traga a vida e não a morte. O exército é uma tropa treinada para matar e atuar em tempos de guerra. As favelas nunca declararam guerra a ninguém.”

Leia mais »

Em nota, sociólogos do Rio criticam Ministério da Segurança e intervenção

O Sindicato dos Sociólogos do Rio de Janeiro (SINDSERJ) e o Instituto de Sociologia do Rio de Janeiro (ISRJ) divulgaram nota oficial criticando a criação do Ministério Extraordinário de Segurança Pública e a intervenção federal no Rio de Janeiro. As entidades apontam o vácuo deliberado de poder  e o esvaziamento econômico progressivo no Estado, e consideram as medidas inconstitucionais e ineficazes. “Essas medidas palacianas, em acordo com um governo estadual totalmente desmoralizado junto a população fluminense e carioca, contribuem para o caos, e não apontam para a melhoria nas condições de vida da população. Em suma, tais medidas se constituem em manobra midiática, partidária e eleitoreira que merecem ser denunciadas, criticadas e esclarecidas.”

Leia mais »

Intervenção pode exigir “sacrifícios” da população, diz comandante do Exército

O que motivou a intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro? Para muitos políticos e entidades da sociedade civil, apesar de a medida ter o combate à criminalidade como justificativa, possui outras motivações, visando as eleições presidenciais de 2018, e traz risco à segurança dos cidadãos e à democracia. Tudo indica que o maior beneficiário dela é o próprio Temer. Após a divulgação do decreto, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em nota às tropas, afirmou que a intervenção significará “sacrifícios”.

Leia mais »

A venda da Embraer representa prejuízo para o país e moeda eleitoral para Meirelles, diz historiador

O interesse da Boeing em comprar a Embraer, oficializado em 21 de dezembro pelas empresas, “causou profundo mal-estar nos setores militares do governo, que não foram avisados da existência dessas tratativas pelo Ministério da Fazenda”, afirma o historiador e ex-assessor estratégico do Ministério da Defesa, Francisco Carlos Teixeira. Segundo ele, a iniciativa tem o apoio do ministro Henrique Meirelles, da Fazenda, que pretende, com a operação, compensar o mercado pela derrota sofrida na reforma da Previdência, cuja votação foi adiada, e fortalecer seu nome junto ao PSDB.

Leia mais »