Tag: Emprego

Cresce o número de engenheiras nos canteiros de obras, mas machismo persiste, mostra estudo

Entre 2002 e 2013, a presença de engenheiras nos canteiros de obra cresceu 149,3%, enquanto o aumento para engenheiros foi de 54,7%. Mesmo assim, os homens continuam sendo maioria no ramo: cerca de 230 mil engenheiros civis estavam ocupados, sendo 190 mil homens e apenas 40 mil mulheres, segundo a PNAD/IBGE de 2015. Apesar do crescimento da atuação das mulheres neste ambiente, as práticas de machismo persistem. Falta de banheiro feminino, desvalorização profissional e naturalização do assédio moral são algumas das dificuldades enfrentadas pelas engenheiras.

Leia mais »
Featured Video Play Icon

2ª mesa – III Simpósio SOS Brasil Soberano – trabalho, demografia, previdência

Confira a gravação na íntegra da segunda mesa de debates do III Simpósio SOS Brasil Soberano: Soberania ou Independência. O simpósio, realizado no dia 8 de maio, em Belo Horizonte (MG) pelo Senge-MG, numa iniciativa do Senge-RJ e da Fisenge, teve como tema “Quais reformas e para quê?”. Compõem a mesa o pesquisador do IBGE, estatístico com ênfase e demografia, Antonio Tadeu Ribeiro de Oliveira; o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio; o advogado e deputado federal (PDT-AL), Ronaldo Lessa; a deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG); e o jornalista Aloísio Lopes, do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC).

Leia mais »
Featured Video Play Icon

Stédile, do MST, convoca para greve geral do dia 30 de junho

“Na prática, o governo Temer já acabou, só falta enterrar; e a burguesia está demorando a enterrar porque não sabe quem colocar no lugar”, diz João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. “Para conquistar as diretas já, temos que amplificar cada vez mais as mobilizações. (…) As centrais sindicais estão se preparando para uma poderosa greve geral no dia 30 de junho.”

Leia mais »

Temer retoma projeto de FHC e gera desemprego em níveis recordes

A redução da população ocupada e do número de empregados com carteira assinada no Brasil durante o governo Temer é uma das mais agudas da história e indica a precarização do trabalho e o confinamento da maioria da mão de obra brasileira em atividades de baixa remuneração e alta vulnerabilidade social, alerta a supervisora técnica do Dieese no Rio, Jessica Naime. Reflete o modelo econômico proposto pelo atual governo Temer – e pelas forças que o sustentam, com Estado mínimo, redução de investimentos e inserção periférica no cenário global, retrocedendo o país ao papel de exportador de matérias-primas.

Leia mais »