Tag: Economia

Em três meses, governo perdoa R$ 30 bilhões de dívida fiscal dos bancos

Em 90 dias, o governo ilegítimo de Michel Temer garantiu o perdão da dívida de cerca de R$ 30 bilhões do Bradesco, Itaú e Santander. A medida rendeu críticas da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). “É uma grande preocupação nossa, esse discurso das reformas Tributária e da Previdência, de que os culpados pela dificuldade de orçamento e receita são os trabalhadores. Esse montante perdoado ajudaria a pagar, inclusive, o alegado déficit da Previdência”, afirmou o presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten.

Fiesp e Abimaq descobrem que a equipe econômica está no caminho errado

Fiesp e Abimaq descobrem que a equipe econômica está no caminho errado

A Abimaq e a Fiesp, entidades empresariais que ajudaram a colocar Temer no poder, criticaram a proposta do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de aumentar os impostos sobre os combustíveis. “Aumento de imposto recai sobre a sociedade, que já está sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo”, reconheceu em nota o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, um dos mais ardorosos apoiadores do golpe, patrocinando desfiles de patos gigantes. Já o presidente da Abimaq, José Velloso, em entrevista ao Valor, nesta quinta-feira (20), responsabilizou a equipe econômica pelo “fracasso” do ajuste fiscal, por ter afugentado investimentos “em meio à maior recessão da história do país”.

Pobreza e individualismo vão destruir as bases democráticas do país

A crise brasileira não é só econômica; atinge também os campos político e social, e pode produzir rupturas perigosas para o equilíbrio da sociedade – especialmente, quando a população se der conta do tamanho do empobrecimento e da degradação da qualidade de vida a que está sendo submetida. O alerta é do economista Nilson Maciel de Paula, professor na UFPR, durante o “Soberania em Debate”, evento realizado no último dia 13 de julho pelo Senge-RJ, Senge-PR e pela Fisenge, em Curitiba (PR).

Participação da indústria no PIB recua para a década de 1910

Embora Michel Temer tenha declarado nesta sexta-feira (7), durante o encontro de cúpula do G20, em Hamburgo, que o Brasil não está em crise, a expectativa do FMI é que o país registre o pior desempenho econômico do grupo pelo terceiro ano seguido, segundo a BBC. O economista Marcio Pochmann, professor na Unicamp, destaca que a contribuição da indústria brasileira no PIB caiu a patamares comparáveis aos do início do século passado, ou seja, aos anos de 1910. Pesquisa do Cemec, publicada pela Folha de S. Paulo, indica que a taxa de investimentos de empresas e famílias caiu de 19% do PIB, em 2013, para 13,7%, em dezembro de 2016, o pior desde 2000.

Artigo de Jorge Folena – O sequestro das nações e das mentes

O advogado constitucionalista e cientista político Jorge Folena analisa o sequestro do Estado pelo capital financeiro, a serviço do grupo que compõe o 1% dos mais ricos do mundo. “O jornalista Andy Robinson, em seu livro ‘Um repórter na montanha mágica’ (Editora Apicuri, 2015), revela de que forma os integrantes do exclusivo clube dos ricos de verdade comandam a política universal, a partir da gelada Davos, e patrocinam a destruição de nações inteiras para alcançar seus objetivos econômicos particulares”, escreve. Confira o texto na íntegra.