Categoria: Detox

Fiesp e Abimaq descobrem que a equipe econômica está no caminho errado

Fiesp e Abimaq descobrem que a equipe econômica está no caminho errado

A Abimaq e a Fiesp, entidades empresariais que ajudaram a colocar Temer no poder, criticaram a proposta do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de aumentar os impostos sobre os combustíveis. “Aumento de imposto recai sobre a sociedade, que já está sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo”, reconheceu em nota o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, um dos mais ardorosos apoiadores do golpe, patrocinando desfiles de patos gigantes. Já o presidente da Abimaq, José Velloso, em entrevista ao Valor, nesta quinta-feira (20), responsabilizou a equipe econômica pelo “fracasso” do ajuste fiscal, por ter afugentado investimentos “em meio à maior recessão da história do país”.

Featured Video Play Icon

A minha liberdade custou sangue, um samba de resistência

Nomes como Nelson Sargento, Moacyr Luz, Wilson Moreira, Ney Lopes e Leci Brandão cantam A Minha Liberdade Custou Sangue. A composição de Douglas Germano, Bruno Ribeiro, Fernando Szegeri e Arthur Tirone. “Não se pode ficar parado e ver o que está acontecendo diante dos nossos olhos. Temos que pensar em nós, nos nossos filhos e netos. Com igualdade. A música tem uma dose de amor pelo país, um amor revolucionário”, disse o produtor Paulo Celestino, ao site Rede Brasil Atual.

Resultado do PIB reflete supersafra de soja e não aponta melhorias para trabalho e renda

O crescimento de 1% no PIB no primeiro trimestre de 2017, em relação ao quarto trimestre de 2016, não garante recuperação econômica nem geração sustentável do emprego, avalia a supervisora técnica do Dieese no Rio de Janeiro, Jessica Naime. Segundo a coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, a principal responsável pela alta do PIB foi a agropecuária, setor que experimentou uma supersafra de soja e que cresceu 13,4% em relação ao trimestre imediamente anterior.

Adeus, Temer!

“Na semana em que se preparava a primeira Greve Geral em 20 anos no Brasil, o Datafolha ouviu a população e registrou o já sabido: o presidente em exercício é o politico mais desacreditado do país, com um nível de rejeição na casa de 65%, e o seu governo é aprovado por apenas 9% dos consultados; tornando-se o pior presidente de toda a história republicana brasileira. Da mesma forma, (…) 85% dos consultados querem eleições gerais já. Ou seja, a legitimidade do atual governo chegou ao ponto mais baixo de aprovação na história de todos os líderes republicanos. Estudo estatístico do DAAP/FGV também nos revela que o movimento social, que organizou e sustentou a Greve Geral de 28 de abril de 2017², foi o maior registrado em rede no país, superando amplamente a movimentação pró-impeachment de 2016.” Confira na íntegra o artigo do historiador Franciso Teixeira.

Para Temporão, declaração do ministro da Saúde soa como acusação aos médicos

Para o médico sanitarista e ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão, a declaração do ministro Ricardo Barros – de que exames que têm resultado normal representam “desperdícios que precisam ser controlados” – soa como uma acusação ao desempenho ético dos médicos brasileiros. Na sua opinião, é mais uma demonstração de ignorância e fragilidade do atual ministro na abordagem dos temas complexos da política pública de saúde.