Aldo Rebelo propõe “ampla união para a reconstrução nacional”

Ex-ministro Aldo Rebelo (PCdoB-SP) – Foto: Giorgia Prattes

Ednubia Ghisi, da Comunicação do Senge Paraná

“Nós só enfrentaremos essa situação de crise política se criarmos um amplo ambiente de força nacionais, que despreze os ressentimentos, as posições pré-concebidas, e que busque um acordo e uma unidade”, disse Aldo Rebelo, durante palestra no IV Simpósio SOS Brasil Soberano, realizado dia 14 de julho, em Curitiba. O evento é iniciativa da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) e do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (Senge-RJ), e, na capital paranaense, realizado com o Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR).

Ex-deputado federal pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB-SP) e ex-ministro das pastas de Esporte, de Ciência, Tecnologia e Inovação, e de Defesa dos governo Lula e Dilma, ambos do PT, Rebelo agora propõe uma “ampla união para a reconstrução nacional”. No dia 7 de julho, lançou um manifesto em que faz um apelo à “união nacional”, distribuído também durante o evento.

Para Rebelo, é urgente a coesão em torno de um projeto nacional, diante de um cenário em que o país ameaça ser reduzido a uma “colônia financeira e monetária, científica, tecnológica, cultural, militar” de interesses externos. “O primeiro dever de um patriota é defender a sua pátria”, garante o ex-ministro, que vê a questão nacional como central. “Eu vejo o Brasil com otimismo. Nós criamos uma grande promessa de democracia, porque nós temos uma capacidade de assimilar”, acredita.

Ele apresenta três grandes objetivos a serem alcançados por essa coalização nacional: o primeiro deles é o desenvolvimento – “não tem saída sem receita, sem a economia em crescimento” –; o segundo é a reindustrialização – “o sistema financeiro tem que se soltar para a sua finalidade mais nobre, que é financiar a indústria e o desenvolvimento”; por último, a soberania científica – “sem ciência e tecnologia, não passamos pela 4ª Revolução Industrial”.

Agricultura
Diante de críticas ao modelo de produção agrícola baseado em latifúndios produtores de monoculturas, Aldo Rebelo disse ter uma visão “mais generosa” sobre a agricultura. “Essa agricultura brasileira permitiu o acesso à alimentação. Eu vivi no tempo em que a proteína do pobre era o peixe salgado da feira”.
A maior produção de carnes, segundo o ex-ministro, é resultante da maior produção de milho e de soja, usados como ração, o que permite ao país enfrentar a competição com produtores europeus e americanos. “Ainda bem que temos soja para produzir e exportar, é por isso que nós temos 40% do mercado mundial de frango, porque produzimos a ração, a soja e o milho”, opina. Para Aldo Rebelo, o agronegócio brasileiro não é de monocultivos. “Nós não temos monocultura no Brasil, nós somos grandes produtores de várias coisas”.
A visão “generosa” com relação ao agronegócio nacional leva o ex-ministro a uma previsão: “O Brasil será mais importante naquilo que é mais importante para o mundo, a segurança alimentar”.

Forças Armadas
O ex-mininistro da Defesa destacou, ainda, a relevância das Forças Armadas. “Um país que não tem Forças Armadas compatíveis com o seu tamanho não é respeitado. É como um adulto que ainda pensa que é adolescente”, sintetiza, frisando a extensão territorial continental do país: 17 mil quilômetros de fronteira terrestre e 8 mil km de costa litorânea.

“O Brasil vive assediado, cercado, porque tem muitas potencialidades, muitas capacidades”, diz.

Conversas de botequim
Sobre especulações de veículos de comunicação sobre a sua transferência do PCdoB para o PSB, o ex-ministro diz que é uma inverdade, embora confirme sua proximidade com o PSB, em especial por relações anteriores com Miguel Arraes e Eduardo Campos. Ainda no campo das suposições, ele reconhece que há “conversas de botequim” a respeito de ocupar a vice-presidência em chapa com Rodrigo Maia (DEM) para uma eventual eleição indireta. Mas que, mesmo tendo boa relação com Maia, nunca teria conversado com ele a esse respeito.

Você pode gostar...